sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Espaço Cultural Vila Esperança

A Cidade de Goiás, no coração do Brasil, abriga muito mais que a Casa de Cora, Museus e cachoeiras... é o celeiro de gente que – como os Roedores de Livros – trabalham por uma infância melhor, por um Brasil mais justo. O interessante é que a gente acaba descobrindo isso ao acaso, onde menos se espera. Dia desses, tomando um café no Grão Café Realejo (o melhor lugar na Cidade de Goiás para um bate papo tranqüilo e um atendimento especial - veja a foto acima) ao lado de Anna Claudia Ramos, Lucia Helena e do Tino Freitas, reencontramos a Micky (terceira da esquerda para direita na foto abaixo) que nos atendeu com toda a simpatia do mundo com cafés e histórias. Ainda era cedo. Poucos clientes. Papo vai, papo vem, descobrimos que ela é voluntária do Espaço Cultural Vila da Esperança.
A Vila é um cantinho pluricultural que educa cerca de 200 crianças, gratuitamente, com uma proposta que extrapola os muros da escola tradicional, utilizando ainda recursos de uma brinquedoteca e diversas formas artísticas como o teatro a dança e a música. Na sua sede, em frente ao mosteiro da cidade, funciona ainda a Rádio da Vila, programa produzido pelas crianças, entre outras tantas iniciativas. Lembramos muito da Escola da Ponte, em Portugal. Nossa escola dos sonhos.
Pois é, Micky e outros tantos voluntários saíram do sonho e apresentam à comunidade carente da Cidade de Goiás uma proposta pedagógica inovadora, ousada e encantadora. Como diria Rubem Alves (ando apaixonada por seus escritos): “É fácil obrigar o aluno a ir à escola. O difícil é convencê-lo a aprender aquilo que ele não quer aprender”. Mas a vida na Vila não é nada fácil. O primeiro obstáculo está na família das crianças. Há muita resistência ao modo “diferente” de educar aplicado ali. Para muitos pais, o certo é como nas escolas “normais”. Mas o trabalho segue sem obrigações. O mundo ainda não está preparado para aceitar essa revolução que se aproxima. Recentemente li em algum lugar que se houvesse uma máquina do tempo e alguém do início do século XX aparecesse de repente por aqui, estranharia tudo: celulares, televisão, computadores, roupas... a única coisa que estaria ainda de acordo com o seu mundo secular seria a educação. Pense bem: isso é assustador!!! No interior de Goiás, crianças e voluntários aprendem e ensinam juntos. No final de semana passado estavam de recesso, mas em breve, faremos uma visita. Quem sabe na SACIZADA acontecerá no final de agosto?! Daqui, deixamos beijos para a Micky e toda a equipe da Vila Esperança. O tempo abraçará nossas certezas. Hatuna Matata!!!

2 comentários:

Fátima disse...

Não me lembro de como vim parar aqui, talvez pelo blog da Mariana Massarani. Também não sei se alguma vez já deixei algum comentário. Vamos lá: sensacional! Pena que você não more no Rio de Janeiro!
Abraços

Socorro Acioli disse...

Ana e Tino! Ando sempre por aqui e adoro os posts.
Estou de saída pra Alemanha. Vou passar dois meses na maior biblioteca infanto juvenil do mundo, com 540.000 livros em mais de 100 idiomas! Espero que um dia vocês possam roer livros por lá.
Vou mandar noticias pelo meu blog, com fotos e relatos da vida em Munique.
Beijos e muita energia para seguir com esse trabalho tão lindo.
Socorro Acioli