segunda-feira, 25 de maio de 2009

Ah, se eles pudessem escolher...

No início do projeto - nos idos de 2006 - decidimos que o projeto deveria fugir de qualquer proposta educacional - entenda-se escolar, professoral. O prazer de ler deveria vir sem as fichas literárias; sem a obrigação de aprovação ou reprovação por testes ou frequencia. Nós fazemos sim, um acompanhamento da turma para um controle interno, mas ali todos vão porque gostam. Mas nem sempre é assim. Por exemplo, no sábado, 16 de maio, pouca gente apareceu pois, devido à greve dos professores do GDF, houve reposição de aulas naquela data. Muita gente mandou recado pelos outros, que apareceram ou por que faltaram a aula ou por estudarem à tarde. Teve até bilhetes das mães. A novidade naquela manhã foi a presença sempre bem vinda do Célio, que andava afastado por motivos de força maior.

Estendemos o tapete no interior da Creche Comunitária da Criança, fizemos uma sessão de músicas incorporando novas canções no repertório e depois o Tino partiu para a mediação. A primeira leitura foi a do livro DIÁRIO DE UM GATO ASSASSINO (Anne Fine, com ilustrações de Sofia Balzola, Edições SM). O suspense foi acompanhado por todos, embora algumas crianças tenha achado a história um pouco longa demais. Mas insistimos com alguns textos maiores para exercitar a atenção da turma. De um modo geral, foi muito bom.

Na sequência, um livro diferente. EU ADORO CHOCOLATE (Davide Cali, com ilustrações de Evelyn Daviddi, Girafinha) é um livro que desperta sensações. Não traz uma história linear, mas abre o apetite por mostrar as cores, sabores e outras delícias do universo desta paixão universal. Foi ler e ouvir huuummmmms e nhaaaaaams!!! A cada frase, sempre uma criança se manifestava concordando ou não. Ótima leitura para interagir com os ouvintes.

Por fim, o terceiro livro daquela manhã foi COMO COMEÇA (Silvana Tavano, com ilustrações inspiradíssimas de Elma, Callis). Um texto sensível, feito sob medida para brincar com a fantasia dos pequenos. Não é à toa que recebeu o selo de Altamente Recomendável da FNLIJ. Um casamento perfeito entre palavra e imagem. Ao final da leitura, aplausos espontâneos das crianças. Já sabem reconhecer uma obra de arte.

Depois do lanche (bolo de chocolate com refrigerante), a euforia de sempre na escolha dos livros, a ida até a pista para ajudar a turma a atravessar a avenida, um bate papo sobre as impressões da manhã com Edna, Tino e Célio e as primeiras ideias para a semana seguinte. Ficamos com a impressão de que o dia seria ainda melhor se todas as crianças tivessem a liberdade para escolher o que fazer nas suas manhãs de sábado. Hatuna Matata.

3 comentários:

Edna Freitass - Assessoria Milenar disse...

ana/tintino,
nosso blog dos roedores, para mim, é uma espécie de espelho no qual, depois de um sábado de LEITURAS, vejo refletido o nosso trabalho.
gosto da imagem refletida.
gostar da imagem refletida significa pensar com meus botões: nosso trabalho vale à pena e essas imagens fotográficas nos dão provas disso. quanta beleza! ana, tintino, somos roedores! e vamos em frente, a despeito de tudo, esteja o vento muito frio ou muito quente.

Kyria disse...

Muito bacana mesmo este trabalho e ainda por cima tenho orientações, e das melhores, sobre livros para os meus fihos. Parabéns e abs

Alessandra Roscoe disse...

Roedores, queridos!
Dá um orgulho danado ver os frutos desta paixão de vocês! Fico mesmo emocionada e feliz quando passeio por aqui. Fico com vontade de ter estado lá na creche todos os sábados... Mas a vida de mãe "tripla", o corre-corre geral da vida e os afazeres todos não permitem, infelizmente! Que voltarei por lá outras vezes é certeza, mas queria mesmo poder voltar muitas e muitas vezes! Fico ainda bem radiante com o juízo do menino Tino perdido ou achado em tantas histórias e canções, em tantos encontros. Vocês estão todos de parabéns! E saibam que moram em meu coração!
beijos