sexta-feira, 25 de março de 2011

Como você lê um livro?

Há tempos eu não usava tantos sentidos na leitura de um livro como o fiz com O LIVRO NEGRO DAS CORES (Menena Cottin e Rosana Faría, Pallas). Impossível ficar indiferente ao seu conteúdo. Das possibilidades diversas de leitura contidas em suas páginas negras. Impossível não pensar naqueles que dizem que o livro vai acabar com a popularização dos e-books. Impossível não trazer esse livro para casa depois de tê-lo ao alcance das mãos.

Conheci a edição portuguesa em 2009 e descobri em junho passado que a Pallas iria publicá-lo por essas terras. Em novembro, encontrei a editora Cristina Warth na entrega dos prêmios literários da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro e ela falou com entusiasmo do carinho com que a Pallas estava preparando a edição brasileira. A edição estava à bordo de um navio, vindo da China. Isso só me deixou ainda mais curioso e ansioso.

Ao entrar numa livraria há duas semanas eu o encontrei. O coração bateu forte. Corri ao seu encontro. Queria saber dos amarelos, verdes e azuis de Tomás, personagem do livro. O encontrei mais belo, em capadura. Mergulhei os olhos no breu. Toquei nas penas, nos morangos e na chuva. Descansei no cinza das palavras. Ah, as palavras de Tomás. Para ele as cores tem sabor, textura, cheiro, som. Para mim também. É certo que para você não é diferente, amigo leitor. Mas, se você ainda não descobriu isso, deixe Tomás lhe mostrar como é. As autoras são venezuelanas e o livro ganhou o Prêmio Bologna Ragazzi de 2007, na categoria Novos Horizontes. Acho que não devo dizer mais. Surpreendam-se com o novo. Vocês verão quão intensa e diferente pode ser a experiência da leitura no "velho" suporte de papel. Parabéns à Pallas por continuar investindo em livros de qualidade.

Abaixo, convido vocês a descobrirem um pouco mais sobre o livro. O vídeo foi editado em Portugal, mas dá para entender muito bem. Boa "leitura". Hatuna Matata.

Um comentário:

Marcélia Macidália disse...

Não acredito que os livros impressoas acabem com a popularização dos ebooks. Ebooks podem até enfeitar a área de trabalho de um computador, mas jamais deixarão uma prateleira bonita.
E este ivro parece super interessante.
Gostei aqui do bom gosto literário.
E que tal conhecer o Boatos e Afins?
Super beijo