sexta-feira, 18 de março de 2011

Acordei Roedora de Livros

O texto a seguir nos foi enviado por Clara Etiene (na foto, à direita, ao lado de Hosana). Esse é o espírito. A literatura nos emociona. Mas o que ela faz com o Homem é ainda mais emocionante. Leiam seu relato e saibam porque "A Hosana é para nós dos Roedores a prova de que sempre há alguém sedento esperando por algo que temos guardado misteriosamente". Boa leitura a todos. Hatuna Matata!!!


No início do ano passado, quando os Roedores de Livros vieram para o Shopping Popular de Ceilândia, o espaço que seria ocupado por eles na manhã de sábado, à tarde ficaria livre para que eu iniciasse uma nova experiência. Sou professora de literatura e há dois anos deixei as salas de aula para trabalhar em um órgão de pesquisas, portanto, sentia falta de um espaço para dialogar sobre literatura e acima de tudo, sentia falta dos leitores.

Durante alguns anos na Universidade de Brasília participei de um Grupo de Pesquisa cujo principal foco era a Formação de Leitores, e a leitura, que sempre teve um lugar especial na minha vida, tornou-se foco de muitos estudos e tema do meu doutorado. Mas, foi no ano passado, aos sábados à tarde que vivenciei uma experiência cheia de boas surpresas. Já que os Roedores de Livros recebiam as crianças pela manhã, me atrevi a abrir as portas para receber os adolescentes, jovens e adultos no período da tarde.

Levei revistas, Best Sellers, Gibis, Postais e tudo que pudesse fazer parte do universo de interesse dos adultos para começar minha estratégia de sedução leitora. O objetivo era atraí-los para o texto e incentivá-los a escrever a partir dessa leitura. Logo percebi que as pessoas vão se distanciando do mundo da palavra ao longo dos anos e quando adultos entendem, equivocadamente, que o mundo dos livros e da leitura não faz parte de suas vidas. Então, as pessoas apareciam e sumiam com a desculpa “Isso não é para mim...”.

Um grupo de quatro adolescentes frequentou mais os encontros, mas foi uma mulher de aproximadamente 35 anos que um dia chegou ao local dos encontros me dizendo que adorava escrever e que precisava de ajuda. Deu-se o implacável destino. Ao longo de vários meses a Hosana, feirante do Shopping Popular, veio ao me encontrar aos sábados à tarde para aprender a compor histórias e o único empurrãozinho que eu precisei dar foi mostrar que só quem lê bem consegue melhorar sua produção escrita. Ela aprendeu rápido, reescreveu toda a história que ainda está sendo gestada, de forma mais organizada e apropriando-se de vários recursos narrativos. O método que eu apresentava sempre era a leitura de algumas obras, como contos, fábulas e romances. Líamos e relíamos, sobretudo, o que a Hosana escrevia e ela melhorava os seus textos a cada sábado.

No último encontro de 2010, Hosana foi uma das estrelas que brilhou. Na nossa programação de encerramento lemos para as crianças uma história escrita por ela: “Meu primeiro beijo”. Fizemos o lançamento do "livro" com direito a pose para fotos, autógrafos e abraço dos amigos. Depois daquele ano de trabalho aos sábado à tarde, a alegria da Hosana foi apenas um dos presentes que eu recebi, porque foi nesse mesmo evento que a Ana Paula, Edna, Celio e Tino me intimaram e eu logo aceitei a compor oficialmente o grupo dos Roedores de Livros.

A Hosana é para nós dos Roedores a prova de que sempre há alguém sedento esperando por algo que temos guardado misteriosamente.

Parece sonho...

Um comentário:

Núcleo de Monitoramento Pedagógico disse...

Como é vbacana ler um depoimento como este!!!!!!!!!!!!!!!
As vezes, a gente pensa que as mudanças so acontecem quando envolvemos muitas pessoas!!!!!!!
Ledo engano! Quantas coisas bacanas, esta história pode despertar em muitos!
Parabéns pela iniciativa. É preciso plantar sementes.
Marla