sexta-feira, 13 de março de 2009

Sobre amizades e seus sabores.

Capítulo 01.

Sempre gostei de cozinhar. É certo que comecei muito mal: aos 13 anos, sozinho e com fome, coloquei um pacote de macarrão numa panela com água fria, acendi o fogo e esperei ele ficar vermelho. O resultado final não foi interessante. Depois aprendi alguns segredos e informalidades. Acho que um almoço é ótima ocasião para encontrar amigos e colocar a conversa em dia enquanto o fogo faz sua mágica nos ingredientes. Quem participou dos almoços que promovi sabe que a comida é muito boa. Mas o encontro é sempre mais gostoso.

Capítulo 02.

Rob perdeu a mãe, vítima de um câncer. Mudou-se com seu pai para uma cidade do interior onde não consegue fazer amigos na escola. Pior que isso: seus colegas se divertem ao provocá-lo no ônibus, na sala, no recreio. Ninguém dá trégua ao menino. Nem mesmo o diretor da escola. Como forma de se proteger, ele guarda seus sentimentos numa mala bem fechada. Sofre calado. Suporta todo o tipo de intempéries sem reação e assim a vida segue seu curso.

Capítulo 03.

Antes da comida chegar ao prato há toda uma dedicação do anfitrião: escolher os convivas, o menu, sair para as compras, separar os melhores ingredientes, uma boa bebida, pães ou grãos ou queijos para o antepasto, bebidas para antes durante e depois e ainda, quem sabe, um doce de saideira (nunca fui bom em fazer doces - a não ser pudim – e aí fazia um mix de bombons de chocolate).

Capítulo 04.

Sistina tem este nome em homenagem à Capela italiana homônima, local do primeiro encontro dos seus pais, num encontrão casual enquanto adimiravam A Criação de Adão, afresco de Michelângelo no teto daquela construção. Acabou de mudar-se com sua mãe para a mesma cidadezinha do interior e é a nova aluna da classe de Rob. A mãe dela descobriu que era traída pelo pai e sua secretária. Também não consegue fazer amigos na escola. Quando está com a razão, não perde uma briga por nada. Mesmo que se machuque muito ao final de cada embate.

Capítulo 05.

Dia desses fui convidado por uma amiga para um almoço daqueles que há muito não me dou ao trabalho de fazer. Perguntei a mim mesmo o motivo de tanto silêncio entre o meu fogão e a sala de estar. Não encontrei uma resposta que me convencesse. Aceitei o convite, certo de retribuí-lo em breve. Sei o quanto ela se dedicou para transformar cada detalhe em realidade. Coisas de quem gosta de cozinhar para os amigos. Bem, eu só cozinho para quem considero amigo de fé, irmão camarada. Acho que é assim também com ela.

Capítulo 06.

Rob e Sistina se tornam amigos embora ambos tenham medo de confessar suas verdades mais íntimas um para o outro. O tempo fez com que aprendessem a ser francos. A verdade dói para ambos. Rob precisa aprender a abrir a mala e soltar seus sentimentos. Sua mãe não vai mais voltar. Sisitina precisa aprender a controlar sua raiva. Seu pai também não vai mais voltar. Os dois aprendem a ser sinceros um com o outro e com a vida. Tudo motivado por um Tigre que os dois aprenderam a amar.

Capítulo 7.

A última fatia de pão desaparecia da cesta no início do almoço quando um amigo desencontrou o outro em meio a ações e palavras disparadas de uma mala fechada e uma boca aberta. A carne ao molho tão desejada, a salada especialmente rica em perfumes, cores, sabores e o risoto tipicamente italiano sofreram com tal desencontro. O cafezinho passado na hora servido com um bolo de laranja que quase devorei sozinho também poderiam estar mais apetitosos. O encontro, ou melhor, o desencontro foi encerrado com uma, duas, três ou quatro rodadas de um licor excepcional. Mas nem tanto. Afinal, houve um desencontro dos que aprenderam a ser sinceros um com o outro e com a vida. Tudo motivado por um Tigre que aprenderam a amar.

Capítulo 8.

Coincidências à parte. Li O Tigre (Kate di Camilo, Martins Fontes) na noite logo após o tal almoço. No premiado livro, Rob e Sistina terminam como dois grandes amigos, aprendendo a enfrentar seus medos. O Tigre – ironicamente – foi o elo que os reuniu novamente. O texto é impecável. A autora de A História de Despereaux descreve com incrível esmero os sentimentos que borboletam em seus personagens infantis. Um bela história sobre confiança, amizade e como enfrentar as perdas. Ah, meus dois amigos já se perdoaram. Nem deu tempo de enferrujar as palavras. Entre os verdadeiros amigos não cabem distâncias. Eles sabem disso. E, assim como no livro, um Tigre foi o elo deste desejado reencontro da vida real. Vocês não imaginam a minha felicidade em poder dizer que esta história também terminou bem, apesar dos arranhões. Agora, o livro volta para a estante, meus amigos dormem sem rancores e eu fico aqui matutando… quem sabe, o próximo almoço seja aqui em casa. Hatuna Matata.

6 comentários:

Alessandra Roscoe disse...

Puxa, Tino!
Sabe que esses dias me vi com o coração apertado, com um nó na garganta popr conta da saudade de um grande amigo que quase não vejo e que amo demais? Pois é, a gente se fala, troca e-mails e cartas no envelope há quase trinta anos. A geografia insiste em afastar o que a alma e o coração guardam bem perto. Brincamos que somos de papel um para outro e com raras personificações, mas somos amigos e sabemos bem, que apesar da distância física, estaremos sempre juntos. Fiquei emocionada com seu post e cheia de vontade de conhecer esse Tigre!
beijo pra você.

Débora Menezes disse...

E aí, dupla? Aqui é a Débora, jornalista... indiquei vocês a um prêmio, vejam no blog http://educomverde.blogspot.com. Parabéns a vocês!

SEU FREITAS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Oi, meu escritor predileto, como gosto de ler você...
O seu primeiro macarrão toca sempre o meu coração e me deixa cheio de saudades dos tempos que já se foram.

Elza disse...

Oi meu amigo...é a Tati do Instituto Cultural Elias José...
Hoje levamos o Projeto Caixa Mágica de Surpresa com sua música para uma creche de Guaxupé/MG. As crianças adoraram. Obrigada novamente. Por tudo.
Abraços literários
Tatiana
www.iceliasjose.blogspot.com

Camila Carrossine disse...

Olá Tino, obrigada pela visita ao meu blog! Eu sempre passo por aqui para ver as novidades. Beijos pra vc e pra Ana!