domingo, 13 de abril de 2008

Piquenique com Livros

Começamos... Neste sábado, 12 de abril, iniciamos as atividades do projeto Roedores de Livros em 2008. É o nosso terceiro ano. De muitos outros. Da nossa visita a Goiânia, trouxemos alguns livros de uma coleção de contos populares recontados e lustrados por Claudio Martins na forma de cartas enigmáticas. Nossas crianças adoraram. Se apoderaram dos livros e leram em voz alta para o pequeno grupo (muitos ainda não sabiam da retomada do projeto). A dificuldade na leitura não foi maior que o desejo de ler em voz alta e assim, espontaneamente, ouvimos as histórias. Foi emocionante. Só estando lá para mostrar o arrepio no braço. Pois foi assim, à sombra de uma árvore, na voz de Deysiane, Guilherme (que leu - e bem - mesmo sem os óculos de sete graus que estavam quebrados), Tiago e Wanessa. Enquanto isso, o pequeno André ouvia a tudo, atento, abraçado ao seu novo amigo "dragão" que nem se importou em ficar de cabeça pra baixo (Veja na última foto).
Hoje pela manhã recebemos um email da Edna Freitas - nossa roedora que a cada dia se mostra muito mais que uma ótima relações públicas e arquivista - relatando sua visão do nosso encontro matinal no último sábado. A seguir, reproduzo o seu relato. No mais, aguardem por novas notícias deste mundinho que - graças a Deus - continua a nos presentear também com ótimas surpresas, como o desenrolar desta estréia. Hatuna Matata.

OS ROEDORES DE LIVROS - sob o céu de ceilândia - 12.04.2008
pensando alto:
Hoje fomos ao centro comunitário da criança para receber a sala - onde nós, os roedores, trabalharemos a partir de agora. Não poderia ser um lugar melhor: uma creche. Tudo se respira crianças.
Ao chegarmos lá, estavam lavando a sala para nos entregar tudo limpinho.
A notícia se espalhou ao redor e logo algumas crianças ficaram sabendo de nossa presença. E vieram até nós.
Somos voluntários. Ser voluntário é saber lidar com o improviso. Enquanto aguardávamos a sala para colocar nossas caixas, livros,..... fomos fazendo o reconhecimento da área.
E tudo começou a acontecer ali mesmo. Sob as árvores, sob o céu de ceilândia.
E levamos os livros onde as crianças e nós estávamos. "Discretamente" colocamos os livros sobre a grama... E não é que hoje, as crianças é que contaram/leram as histórias para nós?
Sim, ficamos ouvindo. E tivemos que organizar 'os leitores', pela ordem.
Hoje a natureza imperou: era terra, grama, árvores, um céu lindo, nosso trabalho de voluntário foi um grande pic-nic onde o ingrediente LEITURA reinou absoluto. Nossos leitores estavam com sede, sede de ler. Ler para serem ouvidos. Ouvidos por nós. Valeu.
Retornei pela estrutural, refazendo os 46 km de volta até minha pousada em Sobradinho. De volta pra casa. De volta pra serra. Pensando no dia de hoje, sob o céu de ceilândia.
Inté.
Edna


Um comentário:

ligia pin disse...

To feliz por vocês!
Beijos