terça-feira, 6 de dezembro de 2011

No meio do preto e branco, coragem e ousadia!!!

Para um Roedor de Livros nada melhor do que encontrar uma surpresa deliciosa na livraria. E foi isso o que me aconteceu ontem. E ainda bem que sou curioso pois estava tudo bem embalado, sufocado no plástico. Não resisti ao convite recortado no olhar do lobo na capa e mergulhei no meio do preto e branco do livro LUA CHEIA (Antoine Guilloppé, Salamandra).

Aí foi só me render pela beleza e ousadia do projeto do mesmo autor de Lobo Negro. Mas aqui, há ainda mais elementos para a leitura. Explico. Nesse projeto, estre as páginas com texto, há sempre uma "ilustração" feita com recortes na página. Essa mesma página - num lado branca, no outro negra - faz um jogo de esconde-esconde com o texto que surpreende (veja a brincadeira com o texto da foto acima e como fica no passar da página nas duas fotos a seguir). É um desafio gráfico fazer tais recortes. E é preciso um editor com coragem para topar tamanha ousadia.

A história se passa numa floresta. É noite de lua cheia e algo incomoda os animais. Há um certo suspense no ar. Mas confesso que ele se perde em meio à beleza do livro. Uma experiência sensorial à parte. Para encantar crianças e adultos. Não me canso de entrar na floresta e tocar nos animais. Como um bom roedor de lirvos, saboreio com vagar tudo o que essa leitura tem a me oferecer.

Porém, a cada releitura deliciosa, uma inquietação cresce no meu peito: o autor é europeu e o livro (mesmo a tradução) foi impresso na China. Na dedicatória do livro, o autor oferece-o à quem acreditou na viabilidade do projeto. Então, gostaria de ver livros assim (boas histórias em projetos ousados) feitos por autores e ilustradores brasileiros, publicados originalmente em editoras "brasileiras". Com tanta criatividade à solta, imagino que surgiriam outras belezas raras como essa que encantariam o mundo.

Temos autores de inspiração ímpar. Ilustradores absurdamente criativos. Conheço alguns projetos interessantes que vão além da tinta impressa no papel. Mas ainda são incipientes. Desejo que em 2012 haja mais coragem e ousadia em nossa literatura infantojuvenil. Enquanto engatinhamos, sigo firme e forte pela floresta que Antoine Guilloppé plantou em minha biblioteca e no meu coração-leitor. Hatuna Matata!!!

Um comentário:

Zilda Mara Peixoto disse...

Olá.Essa é minha primeira visita ao blog.Vi seu link em outro blog e resolvi vir conhecê-lo.Adorei seu blog e já estou lhe seguindo.Seu blog é muito bem organizado e suas postagens muito bem elaboradas.
Te convido a conhecer meu blog e segui-lo também.Aguardo sua visitinha!
Bjs!
Zilda Mara
http://www.cacholaliteraria.blogspot.com