terça-feira, 3 de abril de 2012

Opa, mas e a sopa?

Ontem, 02 de abril, foi o dia de celebrar a Literatura Infantil em todo o planeta. Escolheram essa data por que foi nesse dia que nasceu Hans Christian Andersen, o criador de histórias inesquecíveis como O Firme Soldadinho de Chumbo, O Patinho Feio e Os Sapatos Vermelhos (usando aqui os títulos do maravilhoso livro CONTOS DE HANS CHISTIAN ANDERSEN, traduzidos do dinamarquês por Silva Duarte, Paulinas). A minha história favorita desse autor chama-se A Menininha dos Fósforos. E a preferida de Maria Amália Camargo é A Princesa e a Ervilha.
Digo isso porque ontem o querido carteiro que nos atende com simpatia e presteza deixou um envelope pardo bem recheado com o novo livro da nossa talentosa amiga de ofícios (blogs e literatura infantil) intitulado A ERVILHA QUE NÃO ERA TORTA... mas deixou uma princesa assim (Maria Amália Camargo, il. Ionit Zilberman, Caramelo). O livro é uma releitura da clássica aventura do escritor dinamarquês e uma delícia para quem gosta de uma ótima história.

A história oficial você já sabe: uma princesa bate à porta de um reino vizinho numa noite chuvosa e, para confirmar a origem real da visitante - visto que o príncipe andava à procura de uma esposa -, a rainha coloca uma ervilha sob vinte colchões, cobertos com mais vinte edredons, no estrado da cama onde a princesa passará o resto da noite. Só uma princesa de verdade perceberia o incômodo causado pela ervilha.

O novo texto é divertido, cheio de frases bem sacadas, brincando com a língua portuguesa (forte identidade no trabalho de Maria Amália) e com rimas aqui e ali, embora escrito em prosa. Ótimo para ser lido em voz alta. A autora mudou aqui e ali o caminho natural da história, mas eu não vou estragar as surpresas.


O projeto gráfico também é uma boa surpresa. Aqui e acolá muda-se a fonte para destacar uma ou outra brincadeira no texto. A história - que num tratamento mais simples poderia repousar em 24 páginas - ganhou 32 páginas, capa dura e as ilustrações que eu A-D-O-R-O da Ionit, em que ela capricha nas colagens, nos tecidos, buscando sempre um ângulo original. E imagine o desafio de ilustrar uma história que já ganhou cores e formas no mundo inteiro? Pois ela conseguiu dar originalidade e um novo sabor visual para a história. Destaco a capa (veja com o livro todo aberto), a ilustração em que aparece o rosto da princesa refletido na água da chuva e a que ela está descendo da pilha de colchões.

Enfim, um livro para ser lido em todos os momentos, inclusive numa noite de chuva (como a que está caindo torrencialmente agora, em Brasília), deitado numa cama quentinha. Opa, mas e a sopa? Fica pra depois da leitura!!! Hakuna Matata!!!

Um Ogro - da Rússia - na Bibliotoca.

No dia 17 de março, a Bibliotoca abriu para mais uma manhã de sábado repleta de histórias. Entre as escolhidas, E ALGO ACONTECEU NAQUELE DIA (Jonas Ribeiro, il. Lúcia Brandão, Editora do Brasil) e LUA CHEIA (Antine Guilloppe, Salamandra). A primeira mexeu com a cuca da turminha que debateu sobre o que fazer com uma nota de cinquenta reais encontrada no pátio da escola. A segunda, mexeu com os sentidos pois as ilustrações recortadas no papel oscilando entre o preto e o branco são, de fato, incríveis!!! Mas a terceira leitura também foi incrível: O OGRO DA RÚSSIA (Victor Hugo, il Sacha Poliakova, Cia das Letrinhas).

O livro, gigante para os padrões, é um convite para qualquer leitor mais curioso e a partir da Mediação feita por Ana Paula, as crianças foram se chegando, comentando, se envolvendo com a narrativa e com as ilustrações maravilhosas de Sacha Poliakova, remetendo a um teatro de bonecos, e inserindos sempre elementos surpresa para a nossa degustação literária.

No clímax da história, desespero total: um se afastou do livro, o outro, pôs a mão na cabeça, outro ainda, paralisou com o fato... mas ainda tinha mais a acontecer... até o fim da história. Mas, numa boa mediação, a história não termina no fim. A gente sempre busca uma conversa, um tempero a mais para deixar tudo com mais sabor. A conversa então seguiu para os detalhes da história, escrita no século XIX, e o seu autor, Victor Hugo. As crianças curtiram saber que ele foi o criador de O Corcunda de Notre Dame, por exemplo. Enfim, um livro cheio de emoções. E assim foi aquela nossa manhã de sábado! Hakuna Matata!!!