quinta-feira, 1 de julho de 2010

Delicadeza, sem perder a esperteza.

Não gosto de ler livros em PDF. Desde antes do Kindle e do Ipad chegarem por aqui. Deixo eles para o jornal, ou para outras leituras rápidas. Livro eu gosto de "ler pegando". Uso as duas mãos, finco o polegar embaixo, no meio das páginas... ah, as páginas... gosto de sentí-las. É uma experiência particular, . Meus amigos sabem disso. Em PDF só os que escrevo pois tenho que aprová-los mas... como saber da capa dura do Controle Remoto? E a genial descoberta ao abrir as orelhas de Topo Gigio de Cadê o Juízo do Menino? Bem tudo isso para dizer que finalmente encontrei um exemplar em papel de COBRAS EM COMPOTA, livro de Índigo, edição bacana, publicado pelo Ministério da Educação em 2006 pelo programa Literatura para Todos.

Desde quando li o primeiro livro dessa escritora paulista (A MALDIÇÃO DA MOLEIRA) tenho procurado por Cobras em Compota, dito por alguns próximos como um livro fantástico. Ontem à noite devorei o danado do livro com um sorriso nos lábios. Depois de uma desnecessária "Carta ao leitor" escrita por alguém do Ministério da Cultura, fui iluminado pelo prefácio - esse sim, de categoria - escrito por Marcelino Freire, do qual tirei o título desse post: "Para curar o mau humor. A dor nas costas. O peso do dia-a-dia. O cansaço. Aliviar o seu ar preocupado. Eis o antídoto (...)"

Uma vez, numa palestra em São Paulo, Luiz Raul Machado disse que Marina Colasanti era um Andersen de saia. Acho até que já escrevi isso: para mim, Índigo é Nelson Rodrigues desencarnado. Imagine o escritor carioca escrevendo para crianças e jovens. Mas Índigo escreve também para os maiores. Eu sou fã. Leio tudo dela que chega por aqui. Ainda não consegui achar o tom para escrever sobre os ótimos SAGA ANIMAL e UM DÁLMATA DESCONTROLADO, obrigatórios em qualquer biblioteca infantil.

COBRAS EM COMPOTA é assim: indispensável. Dezenas de contos curtíssimos, ágeis. Um relato de loucas memórias de uma infância pra lá de criativa. Cobras guardadas em potes gigantes de maionese expostos na Sala de Ciências da escola; traquinagens entre irmãos na mesa do jantar ou brincando com o gato e a tal psicologia infantil. O livro vai chegando ao fim e as memórias vão adolescendo. Obrigatório para as leitoras - não apenas juvenis -, os contos Notícias do Dromedário, O Que eu Aprendi com as Gorilas, O Pintinho e o Analista e O Peixe Dele. Índigo ainda brinca - a sério - com o mundo da literatura nos contos O Livro Pompom, A Biblioteca Silenciosa e Namorado e Medo de Piolho - este último reproduzido ao final do post.

O Ministério da Educação, através do site DOMÍNIO PÚBLICO disponibiliza o livro em PDF. Eu tentei baixá-lo hoje pela manhã. Segundo informado no site, já foram feitos 921 downloads. Quando eu cliquei, esperei uns 10 minutos e dos 9 megas só havia sido baixado 1,3. Achei que fosse minha internet. Não era. Tentei de novo. A caixa de download que se abriu informou que demoraria 25 minutos para baixar. Resolvi escrever o post e até agora, baixou pouco mais da metade. Desisti. Você pode ter melhor sorte. CLIQUE AQUI para baixar o arquivo.

Mas se você for como eu, avesso a ler livros em monitores, procure numa biblioteca pública perto da sua casa (não sei se foi disponibilizado "somente" para bibliotecas escolares) ou nos sebos virtuais. Não é possível encontrá-lo nas livrarias! Não sei como, mas num desses sítios famosos, encontrei há pouco, quase duas dezenas de Cobras em Compotas disponíveis para compra. O livro É MUITO BOM!!! Hatuna Matata!!!

NAMORADO E MEDO DE PIOLHO (texto de Índigo)

Livro não vende. Não vende porque as pessoas não lêem. E assim ficava, num eterno mantra de que nesse país ninguém lê. Certo dia resolvi tomar uma providência. Procurei uma creche comunitária e pedi uma turma de jardim. Meu raciocínio era que de nada adiantava ensiná-los a ler, se eles não entendessem para que servia a leitura.
Ganhei a turma. Entre 4 e 5 anos. Analfabetos de tudo, do jeito que eu queria. Comecei a ler para eles. Levei u8m monte de livros, fizemos uma roda e passamos várias tardes assim, eu lendo e eles prestando atenção, sem piscar, de tão curiosos. Foi comovente. Ia embora feliz, certa de que estava pegando gosto pela coisa.
"Você não tem medo de pegar piolho?", foi o único comentário do meu namorado.
Corta.
Seis meses depois, continuava me encontrando semanalmente com a turminha. No final da leitura eles pulavam em cima de mim, me abraçavam, me cobriam de beijos.
Nunca peguei um piolho sequer. O namorado dançou faz tempo.

3 comentários:

Lígia Pin disse...

Concordo e assino embaixo. Adoro os textos da Indigo. Tenho o Cobras em Compota salvo aqui já faz uns anos... mas sou como você: não consigo (ou não curto) ler na tela. Vou procurar o livro "real", quem sabe tenho sorte.
Beijokasssssssssssssss,
;o)

gisele.artes disse...

Oi. Adoro o blog e sigo sempre as dicas de vcs e na medida do possível vou adquirindo os livros citado aqui. Este da Cobra em Compotas eu acabo de comprar na estantevirtual.com.br têm vários exemplares lá ainda pra vender por 5 reais!!! Vale muito apena!! Abraços, gisele

www.kidsindoors.blogspot.com

Lígia Pin disse...

Adorei a dica! Já fui lá e comprei o meu!!!
;o)