quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Nunca se viu tanta gente!!! Parte I

Tinha resolvido não falar sobre a Feira do Livro de Brasília de 2007 até receber por email a avaliação divulgada pela assessoria do evento contratada pela Câmara do Livro do Distrito Federal. Antes, quero deixar claro que sei das dificuldades financeiras e imagino o jogo de cintura que a organização deve ter feito para driblar as dificuldades. Mas acredito que com um bom planejamento e mais respeito com o leitor e com o autor (e isso não envolve dinheiro) a feira de 2008 pode ser melhor.
Não tenho competência para falar sobre a programação adulta da feira pois, embora seja leitor de Mirisola, amigo de Lira Neto, fã de Moacyr Scliar e das biografias de Paulo César Araújo, não me sinto à vontade para falar sobre eles, além de não ter acompanhado de perto esta programação. Deixo claro ainda que os Roedores de Livros não participaram da feira neste ano – ao contrário do que aconteceu em 2006 - o que pode dar vestígios a interpretações de que o que escrevo aqui tenha um cunho pessoal. Não é. A intenção deste texto é o de alertar a todos (inclusive ao grupo responsável pela Feira do Livro de Brasília) que não se faz um evento cultural pensando somente em números. Atenção, cuidado e respeito vêm sempre em primeiro lugar.
No primeiro parágrafo do tal email, destaca-se que “nunca se viu tanta gente. Todos os corredores da Feira ficaram congestionados por pessoas interessadas em saber as novidades do mundo literário”. Fala-se de meio milhão de pessoas, um número, sem dúvidas, expressivo. Fala-se no aumento das vendas e no fim de 10 dias, parece que isso é o que importa. Estivemos lá no primeiro dia. Passeamos pelas instalações. Tudo muito assustador para quem tem uma relação de proximidade com o livro. O release que ora recebo diz que “Os maiores visitantes da Feira do Livro de Brasília foram os alunos das escolas públicas e particulares” para logo depois arrematar: “De acordo com registros fotográficos, ônibus escolares enfileiraram-se na via que dava acesso a Feira e chegava a quase 1 km. As escolas participaram do projeto "Ler é legal", criado há 3 anos pela Câmara do Livro em parceria com a Secretaria de Educação do DF. O projeto permite que alunos e professores de ensino fundamental e médio do DF possam adquirir livros durante a Feira do Livro de Brasília. Um dos objetivos do projeto é ampliar o universo multiplicador de conhecimento e criar oportunidade de negócios, já que as Feiras de Livros tornam-se vitrines da cultura, capazes de promover os livros e aumentar o interesse pela leitura; oferecer ao público visitante a oportunidade de acesso as mais importantes obras dos autores nacionais e internacionais”.
Aproveitando a deixa, meus registros fotográficos neste post mostram as vitrines que ofereciam “as mais importantes obras dos autores nacionais”. São lancheiras de livros, fantoches, tapetes de EVA, máscaras, jogos. Predominantes nos estandes da feira. Impedidos de comprar outros itens que não fossem livros com os “Legais” do Governo, driblava-se a norma com gritos nos corredores engarrafados de crianças: - compre um livro e ganhe um fantoche!!! Durante a semana, a visitação descontrolada de alunos tornou a feira quase impossível de se transitar. “Parecia Natal”, diria o release da assessoria de imprensa. Se você é adulto e sabe como ficam os shoppings às vésperas do natal, imagine o que pode escolher uma criança, ou um professor responsável por mais de 30 delas num corredor repleto, entupido de gente. Como parar para escolher um livro? Melhor parar no stand de um dos personagens que mais trabalhou na feira: o Tinácio, que com talento e simpatia pintava o rosto das crianças. Talvez o momento mais feliz para a garotada.
Podemos dizer que esta pode ter sido também a feira da água. Lembro a todos que passamos por um momento de extrema seca em Brasília com a umidade do ar ficando muito abaixo dos 20% durante nossas tardes. NÃO HAVIA ÁGUA À DISPOSIÇÃO DO PÚBLICO. Nos dias em que acompanhei Elias José, Roger Mello e Anna Claudia Ramos a produção não providenciou sequer água para eles. Tínhamos que entrar no shopping para comprar água. E o que fazer com as crianças da periferia? Eles podem até dizer que tinha água por lá. Mas nos cinco dias em que freqüentei o local... só pagando!!! Nunca se vendeu tanto livro... e água!!!

Um comentário:

Pecê disse...

Concordo com a maior parte das críticas feitas. Ainda assim, da perspectiva de quem freqüenta a feira há muitos anos e que leva turmas de estudantes para visitá-la, constato que a de 2007 foi a melhor. Muitas dessas críticas caberiam tranqüilamente às edições anteriores. E dessa vez teve um conceito, ambientes inovadores, maior presença de escritores de grande projeção... É muito fácil fazer críticas, principalmente se plausíveis; difícil é fazer acontecer, e o pessoal da CLDF está se superando.